Entenda se sardinha em lata faz mal para diabéticos

A sardinha é uma ótima opção de alimento por ser versátil, saborosa e saudável. Ela pode ser usada em receitas de macarrão, salada e tortas – além de ser um produto de preço bastante acessível. A sardinha pode gerar inúmeros benefícios para a nossa saúde, inclusive para quem tem diabetes. Mas, como todo alimento, deve ser consumido de forma consciente e equilibrada dentro da dieta. Entenda se sardinha em lata faz mal para diabéticos.

Saiba mais informações sobre: Dieta nórdica ajuda no controle do diabetes: entenda

Entenda se sardinha em lata faz mal para diabéticos
Consuma alimentos com cuidado se tiver diabetes (Foto: Divulgação)

Entenda se sardinha em lata faz mal para diabéticos

Ser diagnosticado com diabetes não significa abrir mão de tudo que costuma comer, mas é necessário algumas pequenas renúncias diárias e ajustes na dieta para garantir uma alimentação saudável e, assim, manter o controle da doença. Uma boa alimentação deve ajudar a manter os níveis de glicemia dentro da normalidade, controlar a pressão arterial, triglicérides e o colesterol. Dessa forma, evita-se complicações relacionadas ao diabetes.

A sardinha pode trazer alguns problemas à saúde (Foto: divulgação)
A sardinha pode trazer alguns problemas à saúde (Foto: divulgação)

Alimentos que são aliados

Existem alimentos com propriedades que são aliadas da nossa saúde e auxiliam no bom funcionamento do organismo. É o caso, por exemplo, da sardinha. Este alimento é rico em proteínas, cálcio, selênio, vitaminas B12 e D, que são nutrientes importantíssimos para o nosso corpo.

O grande trunfo da sardinha, porém, é a presença de ômegas em sua composição. Ômegas são um tipo de gordura essencialmente benéfica para o nosso organismo e a sardinha oferece os três tipos de ômegas (3, 6 e 9) nas proporções ideais.

Consuma sardinhas de uma forma deliciosa e segura para a sua saúde (Foto: Divulgação)
Consuma sardinhas de uma forma deliciosa e segura para a sua saúde (Foto: Divulgação)

Sardinha pode ajudar diabéticos

Por conta de todas essas características, estudos apontam que o consumo da sardinha é capaz de baixar o nível de triglicérides (gorduras maléficas), reduzir o risco de infarto e até de auxiliar na prevenção do diabetes. Estudiosos apontam que consumir sardinha de duas a três vezes por semana é suficiente para obter esses benefícios. Mas o ideal é consultar um nutricionista para incluir o alimento de forma adequada em um plano alimentar individualizado.

Existem dois tipos de sardinha disponível no mercado: a sardinha em lata e a sardinha fresca. Para tirar o máximo de vantagem das propriedades benéficas da sardinha, o indicado é consumir a versão fresca e com pele, facilmente encontrada em feiras e supermercados, pois ela é mais rica do que a versão processada.

A sardinha em lata pode te ajudar a ter sucesso com a saúde, se souber comprar o produto certo (Foto: Divulgação)
A sardinha em lata pode te ajudar a ter sucesso com a saúde, se souber comprar o produto certo (Foto: Divulgação)

Cuidado com a versão em lata

A versão enlatada da sardinha possui alto teor de sódio e é mais gordurosa – dois aspectos que podem ser prejudiciais para os diabéticos se o alimento for consumido de forma exagerada. O sal e a gordura em excesso contribuem, respectivamente, para hipertensão arterial e aumento de peso. Ambas situações são um dos principais agravantes do diabetes.

Confira mais informações sobre: 3 modelos de planilhas para controle da glicemia

Portanto, a sardinha em lata pode, sim, ser consumida por pessoas diabéticas, desde que de forma moderada. Porém, a melhor opção, seja em relação à sardinha ou qualquer alimento, é sempre consumir alimentos naturais e frescos no lugar dos industrializados. E não esqueça: na hora de preparar, dê preferência ao grelhado ou assado para fugir de gordura.

 

/* */