Novos tratamentos para diabetes no exterior

A diabetes é uma doença que atinge milhões de pessoas em todo o mundo e também no Brasil. Infelizmente ainda não existe uma cura para a diabetes, seja ela de qual tipo for. Isso porque ela se trata de uma doença crônica. Ou seja, ela não tem cura. Porém existem tratamentos, que a deixam sob controle e confere qualidade de vida a pessoa portadora desse mal. Novos tratamentos para diabetes no exterior podem ajudar ainda mais nessa luta.

novos tratamentos para a diabetes no exterior saudável

Novos tratamentos para diabetes no exterior

As pesquisas sobre diabetes no exterior têm avançado de forma expressiva. Novas descobertas estão sendo feitas, ampliando as chances dessas pessoas de terem uma vida mais saudável, com menos esforço e com mais eficiência.

Os tratamentos atuais, ou melhor, até o momento, consistem em:

  • Dieta alimentar apropriada, com redução no consumo de açúcar e alimentos que podem se transformar em glicose no organismo, como arroz, por exemplo;
  • Medicamentos farmacêuticos, muitas vezes distribuído gratuitamente nos postos de saúde;
  • Insulina, aplicada pelo próprio paciente. Essa é igualmente distribuída nos centros públicos de saúde.

Além disso, essas pessoas, pensando-se em termos ideais (pois nem todos tem acesso a estes aparelhos), necessitam medir ao menos duas vezes ao dia o grau de glicemia. Isso ajuda a identificar quando a diabetes atinge níveis mais altos ou mais baixos.

Para contentamento das pessoas diabéticos, estão sendo elaborados novos tratamentos para diabetes no exterior. Esses novos tratamentos para diabetes no exterior podem ser ainda mais potente e eficazes do que os tratamentos tradicionais. Esses tratamentos, mais avançados, geram menos incômodo e facilitam bastante a vida do diabético.

Vamos mostrar adiante alguns dos novos tratamentos para diabetes no exterior.

1. Terapia com células-tronco

Pacientes diabéticos do tipo 1 são insulino-dependentes. Diariamente eles necessitam tomar algumas picadas com essa injeção de insulina, a fim de regular o índice de glicemia corporal. Um desses novos tratamentos para diabetes no exterior, a terapia com células-tronco, promete livrar os portadores de diabetes do tipo 1 dessas aplicações diárias de insulina.

Tudo começa com a coleta de células-tronco do indivíduo, retirada da medula óssea.  Depois, submete-se a pessoa a uma quimioterapia bem agressiva, para detonar o sistema imunológico dela. Posteriormente, as células-tronco que foram recolhidas previamente são novamente introjetadas no paciente, dando um reset no sistema imunológico.

Esse sistema imunológico repaginado deixa de atacar o pâncreas, eliminando a necessidade das aplicações diárias de insulina.

Nessa pesquisa, a eliminação completa do uso da insulina se deu em apenas dois pacientes. No entanto, o interessante é que a maioria deles ficou sem insulina por 10 anos. Aqueles que voltaram a precisar só demandavam uma aplicação diária, ao invés das 4 habituais.

2. “Pâncreas artificial”

Outro dos novos tratamentos para diabetes no exterior que se mostra muito interessante é o “pâncreas artificial”. Em um laboratório americano, pesquisadores elaboraram células artificiais parecidas com uma espécie de pequenas ilhas que confeccionam insulina no pâncreas.

Essas células artificiais são implantadas no corpo por intermédio de um dispositivo que fica sob a pele humana. Como esse dispositivo fica protegido por uma cápsula, eles ficam livres dos ataques do sistema imunológico.

3. Bomba de insulina

A bomba de insulina nada mais é do que um dispositivo eletrônico em versão pocket, que possui uma pequena reserva de insulina conectada ao abdome do paciente através de um cateter. Esse dispositivo conta com programação manual.

Mais qualidade de vida com os novos tratamentos para diabetes no exterior

Os novos tratamentos para diabetes no exterior são construídos a partir de tecnologias ultra avançadas. Algumas ainda estão em fase final de experimentação e estudos, mas já demonstram resultados positivos.

Em pouco tempo, esses tratamentos estarão mais largamente difundidos, podendo então, dessa forma, beneficiar a um grupo maior de pessoas.

 

/* */